domingo, 27 de dezembro de 2009

Fanfic: Baby Bella - Capítulo 1



Olá gente!
demorei mais estou aqui como prometido :)
E trago uma estréia pra vcs \õ/
A nossa nova fanfic se chama 'Baby Bella' e foi escrita pela talentosa Caroline Bigaiski xD
ela conta a vida da Bella desde a infância até os seus 17 anos convivendo ao lado do Edward *-*
espero que gostem!
boa leitura ;*


Prefácio

A vida realmente é uma caixinha de surpresas. Quando Carlisle e Esme adotaram aquela menininha de olhos castanhos, tudo o que eu via era um incômodo na nossa casa. Um incômodo muito tentador.

Mas então tudo começou a mudar.

Quando ela falou meu nome, sua primeira palavra, parecia que meu coração a muito parado voltara a bater.

Quando ela deu os primeiros passos, para chegar até mim, eu não conseguia tirar o sorriso bobo dos meus lábios.

Lembro do seu sorriso agradecido, quando a protegi daqueles garotos no colégio.

Sua expressão de desapontamento quando viu seus presentes de 16 anos.

Do dia em que percebi como seu corpo mudou.

E do dia em que percebi que tinha me apaixonado por ela.


Capítulo 1

Era mais um dia comum em casa. Esme estava se divertindo com Alice e Rosalie enquanto elas reformavam o quarto da última. Jasper e Emmett estavam lá fora, aproveitando da distração de Esme para lutar um pouco. Eu estava no meu quarto, apenas ouvindo música.

Então três coisas aconteceram simultaneamente: Alice arfou, sinal que estava tendo uma visão, o barulho dos pneus da Mercedes do Carlisle roçaram contra a estrada que levava até nossa casa e eu senti aquele cheiro.

Me desconcentrei de tudo. Não ouvia mais o pensamento de ninguém, muito menos de Alice, que praticamente gritava em minha mente. Tudo o que eu sabia era que o cheiro mais maravilhoso do mundo estava lá fora, e estava se aproximando.

Quando percebi já estava em pé, agachado em posição de caça. Eu queria caçar, mas não os animais de sempre. Eu queria o dono daquele cheiro.

– Segurem ele! – escutei Alice gritar, e então dois braços me seguraram enquanto todos os meus pensamentos desapareciam da minha mente.

– Me soltem! – pedi, tentando me livrar dos braços de Emmett em vão. Nem Jasper conseguiu me acalmar agora.

– Respire, Edward. Lembre-se de quem você é. Você não pode sair por aí atacando humanos indefesos – disse Esme, e eu consegui pensar um pouco mais racionalmente.

– O que foi isso? – perguntou Rosalie.

– Um cheiro... Muito tentador – respondi com o resto de fôlego que me restava. Já havia parado de respirar.

– Que nem aquela vez? – perguntou Emmett, e eu assenti tentando fugir dos seus pensamentos.

– Edward... – começou Alice. Respire, continuou em sua mente ao olhar para Emmett significativamente. Ele segurou meus braços ao mesmo tempo em que eu inspirava, e aquele cheiro chegou até a mim novamente, muito mais próximo agora. Estava na garagem.

– O-O que é isso? – perguntei; fechei minhas mãos automaticamente tentando me impedir de lutar com o Emmett para me soltar.

– Carlisle deve ter trazido algum amigo para jantar – murmurou Esme, e partiu para a cozinha.

– Não é isso, eu acho... – comentou Jasper.

Ciranda cirandinha vamos todos cirandar...

– Alice, dá para parar de cantar? – pedi.

– O quê Edward? – perguntou ela, com a cara mais inocente e falsa do mundo. Agora ela cantava Atirei o pau no gato.

– O que você viu? – perguntei, me lembrando da sua visão de agora pouco. – O que você sabe?

– Nada demais – murmurou ela, continuando a cantar.

– Alice...

– Sim?

Eu somente levantei minhas sobrancelhas, e ela segurou meu olhar por alguns instantes antes de suspirar, desistindo.

Ela se lembrou da visão que tinha tido.

Eram duas coisas: primeiro todos eles (eu não estava na visão) brincando com uma menininha de uns seis anos, com cabelos castanhos, usando um vestido cor-de-rosa a la Alice. Emmett corria dela, em passo humano, enquanto ela tentava pegar ele. Os outros assistiam com sorrisos bobos.

A outra era de uma sala de aula. Eu estava sentado nos fundos, olhando na direção de Alice e mais uma garota, esta com os mesmo cabelos castanhos, porém mais longos, até as costas. Elas conversavam animadas até que um garoto loiro chegou e começou a conversar com a garota, sorrindo esperançoso. E eu quebrei a mesa com um soco.

– O que foi isso? – perguntei quando terminou. Alice deu de ombros.

Edward, chamou Carlisle.

Eu esperei.

Por favor, peça que todos se reúnam na sala. Preciso falar com vocês, pediu ele. Só agora percebi que ele ainda não tinha entrado, o que era estranho para ele, mas isso não era muito importante na hora. Estava mais preocupado com a visão que Alice teve.

– Gente, Carlisle quer falar com a gente – eu disse, e nos sentamos na sala somente por costume. Esme não demorou para se juntar a nós.

Carlisle entrou então, pensamento somente em que tinha que conversar conosco, não especificamente sobre o quê.

E eu ainda estava sem respirar.

– O que aconteceu? – perguntou Alice impaciente.

– Eu preciso falar com vocês. É algo sério – disse ele, ficando em pé a nossa frente.

Nós esperamos, e depois de alguns instantes ele começou a falar.

– Hoje, no hospital, aconteceu uma coisa. Um bebê apareceu do nada, sem registros nem nada, no berçário. Não temos registros de nenhum parto realizado hoje, nem mesmo de emergência, mas ela estava lá de algum jeito. Porém ela não tem onde ficar.

Eu me encostei mais firme no encosto do sofá por puro reflexo, minhas mãos novamente em punhos ao meu lado. Não, ele não podia estar insinuando que...

– Eu sei como Esme e Rosalie adorariam ter um bebê aqui em casa, então pensei que poderíamos ficar com ela, pelo menos até que encontrem um lar definitivo.

Sim, ele estava insinuando isso.

Um... bebê? Eu vou poder cuidar de um bebê? Cadê ela? CADÊ ELA?, pensou Rosalie, e pude ver ela sentar na ponta do acento do sofá, como se estivesse pronta para saltar a qualquer instante.

Uma criança? Mais uma? Já não basta o Emmett?, pensou Jasper, e fiquei feliz que pelo menos alguém tivesse consciência aqui em casa. Mas se Alice quiser...

Morreram minhas esperanças. Alice estava pulando pela sala. Literalmente.

Um bebê! Minha própria Barbie particular! Eu vou poder vestir ela! Roupas de grife! Um quarto! Todo rosa, é claro! Preciso fazer compras!

Emmett não pensava nada específico. Só estava preocupado que alguém o tirasse dos centros das atenções daqui de casa.

Mas é muita responsabilidade, pensou Esme. Se bem que eu adoraria cuidar de uma criança... Ainda não superei o meu filho, acrescentou ela, suspirando.

Parecia que eu era o único que entendia a gravidade da situação.

Inspirei lentamente, me segurando quando aquele cheiro me atingiu, e então levantei minha cabeça.

– Carlisle... Eu acho tudo isso ótimo – menti –, mas um bebê, numa casa cheia de vampiros? Não acho que isso vá funcionar.

– Não é definitivo, Edward – disse Alice, respondendo por Carlisle. Ela parou de saltitar e colocou as mãos nos quadris, sua cara zangada.

– Ainda assim... Não é muita responsabilidade?

– Edward, não seja um estraga-prazeres – resmungou Rosalie, ficando de pé. – Onde está ela? Posso ver? – pediu a Carlisle. Ele sorriu e indicou a garagem. Ela correu para lá.

– Rose! Você vai me trocar? – choramingou Emmett, cruzando os braços como uma criança birrenta.

– Ai que coisa mais linda! – exclamou Rosalie da garagem, e pelos seus pensamentos vi uma menininha recém-nascida, com poucos mas grossos cabelos castanhos. Ela abriu lentamente os olhos, e vi que eles eram castanhos, cor de chocolate.

– Eu quero ver! – disse Alice, correndo para a garagem também. Logo ela suspirou também.

– Me esperem! – gritou Esme, partindo também.

– Edward, pelo jeito você é o único contra – disse Jasper, com um sorrisinho.

– Perdeu, maninho – disse Emmett.

– Mas a Rose vai te trocar por ela – ameacei.

– Não vai não. Com quem ela vai passar as noites? – Ele se lembrou da noite anterior.

– Não precisa pensar sobre isso!

Ele riu, e então correu para a garagem também, sendo seguido por Jasper. Ficamos eu e Carlisle.

– Edward, eu sei que é bastante, mas não é permanente. Já estão tentando arranjar uma casa para ela.

– Mas por que nós? Não tem mais nenhum médico ou enfermeira no hospital?

– Filho, ela me conquistou.

Eu vi pelos seus pensamentos ele se lembrar de quando a viu abrir os olhos e encarou aquelas íris castanhas pela primeira vez. Era como se ela implorasse para que ele a pegasse.

– Você sabe o efeito que ela tem em mim? O cheiro? – perguntei, e vi ele hesitar um instante.

– O que você quer dizer?

– É muito tentador. Por pouco não a ataquei quando você estacionou o carro.

– Edward... Se você acha que não vai poder lidar, eu posso procurar outra solução.

Eu pensei sobre isso. Claro que o cheiro era incômodo, mais que incômodo, mas esse não era o real motivo que eu não queria ela aqui. Era mais a preocupação de um humano no meio de vampiros. Eu estava me preocupando por ela. E se Jasper se descontrolasse? Ou eu mesmo, por causa do seu cheiro?

Respirei fundo mais uma vez, e senti aquela fragrância me atingir como uma bala. Era tentador demais, mas ainda assim eu não conseguia atacá-la. Algo me impedia.

– Dois meses. Esse é o meu limite. Se ela ficar mais, eu saio de casa – falei firme antes sair de casa em direção a floresta. Eu precisava caçar e pensar, de preferência longe daquela coisa.


domingo, 20 de dezembro de 2009

Fanfic: Um Edward em minha vida - Capítulo 27



Owwn gente!
nossa fic chegou ao fim =/ -Chora-
Quero agradescer as pessoinhas que acompanharam cada cap. dessa fic,memso com os atrasos, MUITO OBRIGADA, de verdade gente :)
no próximo fim de semana, eu trago uma fic nova pra vcs ;)
boa leitura ;*

Capítulo 27 - Meu crepúsculo

Rosalie havia falado para o Edward que eu tinha morrido e ele como no livro foi para os Volturi. Tudo bem que eu sabia que ia ficar tudo bem, mas meu coração estava muito apertado, era uma dor gigantesca, impossível colocar em palavras, pensar que o Edward podia deixar de existir era apavorante, mesmo sabendo o futuro dessa história.

Corremos para Voltera e como já sabia eu tinha que correr, economizamos tempo de explicação, mas enquanto eu corria, parecia tudo em câmera lenta, tentava ser rápido mas não conseguia. Minhas lágrimas me cegavam, mesmo assim o vi, tentei gritar mas ele não escutava e por fim, antes dele chegar na luz, corri para seus braços.

Foi como se meu coração voltasse a bater, que antes não o sentia. Ao contrário do livro, não pude deixar de depositar um beijo em seus lábios, sentia muita falta do toque.

Não tivemos muito tempo, já que logo parte do clã Volturi apareceu, nos obrigando a os segui e tudo aconteceu igual, a conversa, a tentativa de Caius de me matar e o pior de tudo, a ultilização do poder da Jane no Edward, mesmo ela não podendo me afetar diretamente, quando eu vi meu grande amor caído no chão sentindo dor, era como se ela tivesse em mim tambem.

Quando voltamos para Londres, meu pai quis matar o Edward e minha mãe, só chorava. Meu pai o ameaçou de tudo que se possa imaginar, eu não conseguia falar nada, apenas sorria. Agora tudo que acontecesse eu e Edward iamos enfrentar juntos.

-PAI – gritei – eu sei que o senhor está com raiva, mas quem decide quem eu devo namorar ou não sou eu, se lembre que tenho 18 anos.

-Moçinha – ele gruniu.

-Bella, seu pai está certo – Edward falou.

-Não me defenda, seu...

-PAREM – gritei novamente. Me aproximei de Edward e segurei sua mão.

-Eu o amo pai, o que aconteceu me fez sofrer sim – olhei para Edward com um sorriso e ele me olhou triste – mas agora tudo será diferente, acreditem em mim.

-Filha, tem certeza? – minha mãe falou com tristeza na voz e meu pai a olhou com raiva. Ela estava me ajudando, por isso eu a amo.

-Tenho absoluta certeza.

Tudo voltou ao normal, voltei a conversar com Logan e Mia. Logan não falava mais com Edward e o mesmo sempre que o via ficava triste, sabia muito bem que o Logan ficava pensando em como eu sofri quando ele não estava aqui.

Jacob não havia mais me procurado e sempre que falava dele com Edward, ele me dizia:

“Ele é um lobisomem jovem, por isso não podem se ver, é muito perigoso”.

Mesmo assim, consegui escapar um dia e fui encontrar com meu novo melhor amigo, diferente do Jake do crepúsculo, esse era realmente meu amigo, ele não sentia nada além de uma grande amizade. Me sentia feliz por isso, Logan ficava com ciúmes, porém não podia permitir que o Jake se afastasse de mim, havia sido ele que tinha me ajudado quando estava morrendo por dentro.

Edward concordou que eu visse Jacob, porém aquela rivalidade idiota era verdadeira. Houve uma festa de formatura, onde a Alice teve aquela horrível visão, dos recém-nascidos onde nós duas já sabíamos quem era a responsável – Victória.

Mais uma vez algo ruim acontenceu, talvez não tão ruim, mas numa hora errada, sim essa era a verdade aconteceu numa hora muito errada. Mia obrigou o Logan levá-la para o acampamento, já que eu fui com o Edward, e ele o fez. Porém quando Logan correu para ajudar a matar os recém-nascidos, Edward ficou preocupado em matar a Victória e eu estava estática, olhando-a enquanto morria queimada. Nesse tempo não percebemos que a Mia preocupada com o Logan correu atrás dele, porém algo a impediu, Bree.

Passou-se 3 dias e uma nova vampira foi criada, Mia. Não foi muito difícil, já que ela estava acostumada a viver com vampiros e como eu, já sabia bastante deles, Logan a pediu em casamento que aceitou, então os dois ficaram vivendo na mesma casa, impedindo que seus pais desconfiassem de alguma coisa.

Minha amiga estava muito feliz, e eu mais que ninguem sabia muito bem o motivo, ela era como seu amor e ficaria com ele a eternidade.

Numa noite Edward me chamou para irmos na nossa campina e é claro que eu aceitei. Chegando lá senti Edward muito distante e parecia preocupado. Eu queria tanto falar para ele que eu queria ser como ele, uma vampira, mas tinha medo de sua negação.

-Onde você está? – perguntei rindo.

-Na verdade, não sei – ele me deu aquele sorriso torto – eu estava pensando naquele livro.

Suspirei.

-Queria poder lê-lo, saber o que passa nessa sua cabeçinha – ele olhou para mim e sorriu – queria saber como será daqui para frente.

-Edward – ele puxou para seu colo e eu coloquei as mãos em seu rosto – eu mesma não sei, tudo bem que muita coisa está acontecendo igual, porém tem coisas que acontecem diferente, agora por exemplo, tem duas coisas que não aconteceram.

-Quais são essas coisas? – eu fiquei vermelha, como ia falar do casamento. Não ia falar, muito menos falar em me tornar vampira – não vai me contar?

-Não está na hora e eu não sei se posso – ele bufou e eu ri – fica calmo amor e você não tem nada para me contar?

-Como?

-Você estava distante quando a gente chegou, parecia pensativo e não parecia que era sobre livro e sim algo que queria me contar.

-Você me conhece bem – nós rimos – tudo pelo livro?

-Sim e não, quando eu li aprendi muitas coisas, mas nada melhor do que presenciá-las.

-Eu... queria ter perguntar uma coisa – seu sorriso parecia tímido, mas seus olhos tinham uma alegria que era mais intensa de quando me beijava.

-O que é? – sentia meus olhos brilhando, será que seria agora?

-Isabella Hudgens? – ele me tirou de seu colo, me fazendo levantar, segurou fortemente minha mão esquerda, olhou pra mim através daqueles cílios impossivelmente grandes, os olhos dele estavam suaves, mas de alguma forma, chamuscando. - Eu prometo te amar pra sempre, todos os dias do pra sempre. Você quer se casar comigo?

Finalmente, e essa foi à primeira vez que ele me pedia, ao contrário da Swan eu não teria coragem de recusar uma proposta dessa, jamais. Ele era meu amor, aquele homem que me apaixonei quando li pela primeira vez seu nome, assim que a Bella perguntou para a Jéssica quem ele era e ele seria meu, para sempre.

Vi um anel em sua mão, era lindo.

-Sim – meu sorriso era muito grande, até doía minha boca.

-Obrigada – ele se aproximou de mim também sorrindo para me beijar e logo depois beijou minha mão já com o anel que era meu.

Nem preciso dizer que a Alice preparou TUDO para o casamento, muitas vezes eu pensei que seria ela a se casar. Eu estava amando tudo aquilo, tirando pelo fato da minha querida irmãzinha não deixar eu ficar muito com o Edward, como tudo seria igual, à data do casamento seria no dia 13 de outubro e eu ainda me lembrava que antes de tudo isso jurei que me casaria exatamente nessa data e agora além da data ser mesmo a mesma, o noivo era o Edward Cullen, ainda era uma sonho?

O casamento foi mais que perfeito, eu chorava mais que um bezerro desmamado, mas é claro que era um choro de felicidade. Edward não parava de me olhar com aquele sorriso torto perfeito. Estávamos dançando e cai na risada.

-O que é engraçado, Sra Cullen – ri mais ainda.

-Tudo isso – olhei para os lados e vi Rosalie dançando com Emmett, Alice com Jasper e Esme com Carlisle – Edward... – olhei para ele sorrindo – eu estou realmente sonhando, até um tempo eu lia os livros sonhando com vocês e agora estou aqui, casando com o Edward Cullen, o que as fãs falariam? Elas iam me matar isso sim, estou roubando você não só no livro, mas aqui também.

-Eu te amo e essas meninas nunca vão chegar perto de você, você é só minha – ele riu e me beijou apaixonadamente.

Fomos para a Ilha Esme e eu não tinha palavras para descrever aquele lugar, era simplesmente perfeito. Nossa primeira noite foi maravilhosa, eu estava muito nervosa e sabia que eu não era a única. Todas as partes que no livro não foi descrito eu passei e melhor do que nunca. Meu marido era perfeito, era meu vampiro perfeito. Passamos os dias naquela ilha sempre juntos, era com certeza a melhor lua de mel que já existiu.

Comecei a me sentir enjoada e morta de fome, ovos era o que eu mais comia, estava agitada, era minha filha, porém não comentei nada com Edward até o dia que eu desmaiei e não consegui mais guardar segredo, eu estava grávida.

Edward ficou desolado e uma onda de tristeza passou por mim, ele queria meu bebê morto. Eu pensei em ligar para Alice, pois sabia que ela estava a par da história, mas tinha medo de algo na história mudar, então liguei para a Rose e ela me ajudou.

Logan, Jacob, Edward e Carlisle queriam matar meu bebê e eu não ia permitir isso. O Logan sabia que tudo ia ficar bem, mas ele ainda queria o meu neném longe de mim. Jacob ficou mais próximo da nossa família e eu me sentia melhor assim, porém sentia que ele estava triste, assim como todos. Alice e Mia sempre ficavam ao meu lado me apoiando, pois elas sabiam que tudo ficaria bem. Rosalie não saia de perto de mim, me protegendo e isso doía meu coração, já que eu via nos olhos do meu amor sua dor.

-Vai ficar tudo bem – disse para Edward, sentada no sofá da sala com ele nos meus pés. Ele só olhou para mim, tentando sorrir em vão. Suspirei – Edward, acredita em mim, isso vai ser recompensado depois meu amor, vamos ficar juntos para sempre você verá.

Ele sentou no sofá ao meu lado e depositou um beijo em meus lábios levemente e o senti tremer.

-Para sempre – ele disse.

Eu não posso negar que sentia medo, muito medo. Eu estava cada vez mais fraca e sentia todos preocupados, a história tinha que ser a mesma, não podia perder minha familia daquele jeito.

Passou-se alguns dias e aquela dor intensa me atingiu, estava na hora. Jacob, Logan, Mia e Edward estavam comigo, Rose permetiu que a Mia ficasse ao meu lado para ela caçar. Quando meu bebê saiu de mim, um alívio me atingiu quando escutei seu choro, porém logo me senti fraca, queria ela perto de mim.

-É uma menina – escutei Logan dizer.

-Meu bebê... me dê – falei em sussuros. Meus olhos estavam fechados e mesmo tentando eles não abriam.

A dor voltou mais forte e eu gritei.

-Edward tem que ser agora – Jacob disse aos berros.

-Edward... confia – não consegui dizer mais nada, pois um outra dor me atingiu, estava sendo queimada viva, era isso que sentia.

Eu sabia que devia ficar quieta para Edward não sofrer e foi o que eu fiz, sofri em silêncio. Tudo passou muito devagar e quando finalmente a dor passou abri meus olhos para viver meu sonho, eu era uma vampira.

-Vejo que está feliz irmãzinha – não precisa olhar para saber que a voz era do Emmett, tambem só sentia vontade de olhar para meu amor, Edward Cullen. Ele era meu, todo meu, quem poderia acreditar, uma fã do crepúsculo viraria vampira e ainda por cima seria mulher do vampiro mais perfeito de todos – sorri com esse pensamento.

-Te amo – falei para ele e um sorriso enorme brotou em seus lábios. Ele se aproximou e antes de depositar um doce e calmo beijo, me disse um eu te amo, porém agora sim sentia o significado daquelas palavras.

Minha filha era linda, nem mesmo a atriz que interpletar o papel da Reneesme seria linda o suficiente. Tudo bem que eu era um pouco suspeita de falar isso, mas a sua beleza para mim não tinha palavras.

-Qual será seu nome? – Edward me perguntou, quando a colocavamos para dormir em seu berço. Isso mudou, quando voltei com Edward da caçada, Alice já nos esperava para mostrar-nos a linda casa que ela e Esme haviam construído.

-Eu estive pensando em Reneesme, o que acha? – disse sorrindo.

-Amei – ele disse rindo e me puxou para um beijo que nunca havia esperimentado antes, mesmo sendo uma vampira me deixou sem fôlego.

-Acho que se me beijasse assim quando era humana, ia ter um infarto – ele gargalhou ainda me abraçando.

-É tão bom saber, que não preciso pensar quando estou com você – ele segurou meu queixo e mostrou um sorriso malicioso – apenas agirei com meu desejo.

Ainda bem que não podia corar. Eu não consegui dizer nada, pois meu marido vampiro, me arrastou para a nossa cama.

A cada dia que passava sentia Alice mais nervosa e eu sabia muito bem o motivo, quando será que nossa paz seria pertubada? Jacob havia tido aquele chamado lobo, Edward ficou furioso com ele e chateado comigo, pois como havia prometido a mim mesma, faria isso diferente, o Jake merecia ser feliz. Logan e Mia moravam juntos em seu apartamente desde o casamento dos dois. Meus pais vinham me visitar felizes, porém sabia que minha incrível mudança os incomodava, principalmente quando meu pai viu Sophia. No princípio ele odiou a idéia de eu ser mãe – ele pensava que tinha a adotado – porém depois se sentiu animado, quando escutou minha filha o chamando de vovô.

Era de noite, quando Alice deu um grito e eu logo descobri o que estava acontecendo. Edward ficou transtornado, como toda nossa familia. E antes que minha irmã de fosse, a abracei.

-Vai dar tudo certo Bella, está quase acabando – ela sorria.

-Eu sei – depositei um beijo em sua bochecha – obrigada por tudo e já vou tratar de fazer como o combinado.

-Será que é preciso? – ele estava confusa e eu tambem.

-É melhor fazer exatamente igual.

Foi o que fizemos, Alice partiu tempos depois e eu tratei de arrumar os documentos.

Tudo igual... Volturi... Meus poderes... E finalmente um final feliz.

-Edward vamos para nossa casa? – falei nos seus braços, quando ele terminou de falar a todos a heroína que eu havia sido.

-Claro amor – nos despidimos de todos e fomos a nossa casa - Você está bem? – ele perguntou, já no quarto.

-Eu quero tentar uma coisa – ele abriu um sorisso malicioso e eu ri – que mente poluída a sua – ele riu alto.

-O que você quer tentar? – ele acariciou minhas bochechas com meu sorriso torto.

-Fique bem quieto – ele acentiu. Coloquei minhas mãos em cada lado de seu rosto e fechei meus olhos, me concentrando. Fiz questão de me lembrar de tudo, desde o primeiro momento que comprei meus amados livros até hoje e ele aguardou, sabia que ele não ia escutar muita coisa, já que ele não podia saber do livro, porém mesmo assim eu o fiz. Abri meus olhos me deparando com um Edward muito assustado, seus olhos estavam arregalados e sua boca entreaberta.

-Como... você... – eu sorri.

-Como eu fiz isso? – ele acentiu – Eu treinei.

Ele balançou a cabeça negativamente e agitado.

-Não quis dizer isso Isabella – ele tava nervoso – como você teve a coragem de sofrer sozinha, permitir tudo isso – ele segurou um rosto – você não podia ter feito isso.

Agora foi minha hora de ficar surpresa.

-Você sabe dos livros?

-Eu li tudo em sua mente, Bella – meu nome foi dito como um choramingo.

-Edward – eu o abracei, sentindo vontade de chorar – eu não podia te perder, se eu não fizesse isso podia dar tudo errado – olhei para ele – me escuta, eu sempre te amei, desde o momento que eu li a parte que você entrou no refeitório, não por você ser lindo e sim por seu coração. Um dia você apareceu para mim, como magia – sorri e ele tambem – e você acha mesmo que depois do dia que eu neguei a jogar baseball com sua familia e o Logan virou um vampiro, eu podia estragar o meu futuro ao seu lado? Não Edward eu não podia. Eu sofri – senti ele ficar tenso – mas nada se compara a felicidade que eu estou sentindo agora, valeu a pena.

-Bella...

-Não precisa dizer nada, apenas vamos ser feliz e esquecer o passado, agora é só você e eu.

Ele sorriu e me beijou.

-Para sempre.

Sim, para sempre. Agora eu sei que todo o sonho pode sim se tornar realidade, e todas que sonham em encontrar um Edward Cullen podem ter certeza que ele um dia irá aparecer, ele um dia será seu.

FIM

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Fanfic: Um Edward em minha vida - Capítulo 26



Oláá gente!
estou aqui pra postar o penúltimo capítulo da noss afic perfeita =/
triste, I know.
Mais não se preocupe, por que como eu disse no capítulo anterior, já tem outra fic a caminho ;)
boa leitura pessoal \õ/

Capítulo 26 - Exatamente igual

Minha rotina de escola tinha voltado, Edward era meu professor particular, já que desde que as aulas começaram minha cabeça estava muito cheia. Ele era o melhor porfessor que eu já tive, ele tinha uma facilidade ótima para ensinar e ainda por cima a cada resposta certa ganhava um beijo, tinha coisa melhor?

Eu sentava na mesa do refeitório com os Cullen e tambem com Logan e Mia. Logan tambem tinha voltado a rotina normal, ele morava agora sozinho no apartamento que tinha ganhado dos pais, que ficava mais fácil para ele. Mia tinha uma idéia na cabeça que depois de saber sobre o Logan não saia mais de lá, ela queria virá vampira tambem.

Os Cullen falavam para ele que essa não era uma boa idéia e Logan concordava, mas algo em seu olhar me dizia que para isso não era uma total verdade.

Passaram-se um bom tempo, provas acabaram, as aulas tambem, passou o natal, ano novo, novamente as aulas retornaram e mais ruim de tudo faltava apenas dois meses para meu aniversário, a cada dia que passava meu coração doia mais, sempre que o Edward me perguntava o motivo da minha mudança de humor, dizia que era nada, ou inventava algum tipo de coisa, como tpm. Ele não aceitava muito bem, mas sabia que eu não queria comentar e eu o agradeci mentalmente.

Meus pesadelos tinham voltado e toda a noite era o mesmo, a mesma cena do lua nova, quando o Edward ia embora, mas agora não era a Bella Swan que estava com ele e sim eu.

Era sábado e eu e Alice estavamos na minha cama logo após um longo dia de compras, resultado estava morta de cansaço.

-Alice estou cansada, quero dormir agora – fechei meus olhos e senti ela me cutucar.

-Bella? – abri meus olhos – seu aniversário está chegando – ela estava triste.

-Eu sei – suspirei.

-Eu não vou fazer festa, vamos tentar...

-Não Alice, você fará exatamente igual – ele me olhou atônita – por favor maninha, faça isso por mim.

-Mais Bella – ele pegou na minha mão e senti a sua tremer.

-Você viu da última vez que eu tentei mudar, as coisas pioraram – senti uma lágrima cair.

-Ahhh Bella – ela me abraçou e a escutei soluçar – eu te amo tanto minha irmã, não quero me separar de você.

-Nem eu Alice, nem eu – não consegui mais impedir que as lágrimas caissem.

-Bella você vai sofrer, não posso deixar isso acontecer – ela ainda soluçava e se afastou para me encarar.

-Terá que ser assim Alice, depois tudo dará certo você vai ver – meu coração doia, não queria ficar longe da minha nova familia nem por um segundo imagina meses.

Ela ficou rígida e vi seu olhar fritar um vazio, ela estava tendo uma visão. Não demorou muito e ela voltou a me olhar.

-Bella eu não vi direito, mas alguém vai vim aqui e eu preciso ir, depois eu te ligo, ok? – ela se levantou e foi para a porta.

-Está bem, vou te levar até lá embaixo – fui em sua direção.

-Não precisa vou sozinha – ela me deu um beijo estalado na bochecha e foi embora.

Quem será que ia vim aqui?

Com todos os acontecimentos não pude ler muitos livros, então decidi que ia ler um hoje, peguei o formaturas infernais, mas antes de ler 10 páginas meu pai me gritou.

-Filha.

-O que é pai? – gritei de volta.

-Venha aqui que eu quero te apresentar umas pessoas – ele tinha um voz feliz, quem seria? Era a visita que a Alice me falou?

-Já estou descendo.

Não sei o motivo, mas senti um embrulho na minha barriga, como se aquela visita fosse mudar minha vida, desci o mais rápido que eu podia.

-Onde vocês estão? – perguntei.

-Na sala de jantar – minha mãe falou.

Quando cheguei lá minhas pernas tremeram e eu me segurei na mesinha que estava perto, era impossível, só podia estar maluca.

-Minha filha esses são Billy Black meu amigo de longa data e seu filho Jacob Black – minha boca se escancarou, meus olhos ficaram em Jacob, ele não era como o Taylor Lautner, era mais bonito ainda e com todas as características do livro, meu Deus.

-Black? Esse não é o sobrenome daquele personagem do seu livro Bella? – olhei para ela rapidamente, merda, minha mãe sempre fala demais.

Não conseguia falar nada, estava tremendo, tudo ia acontecer, eu estava feliz por ver meu lobisomem favorito mais logo ia acontecer o pior, meu amor ia embora, olhei para o Jake e ele me deu um sorriso.

-Livro? Que livro? – Billy falou da cadeira de rodas.

O que eu ia falar? Um medo pecorreu o meu corpo e senti um frio de repente.

-Você veio aqui para falar de livro, velho? – Meu salvador, Jacob Black, sorri.

-É verdade Billy, vamos ver algo na tv – ele foi caminhando com minha mãe e Billy para a sala – tenho canais de jogos ótimos.

Jacob não tirava os olhos de mim, isso seria difícil, mas não pude deixar de sorri, ele realmente tinha um sorriso encantador e ainda por cima contagioso.

-Obrigada – disse simplismente.

-De nada – ele se aproximou – mas terá que me contar depois está bem?

-Se eu contar você não vai acreditar e eu não posso – ele sorriu e pegou na minha mão, ele era quente.

-Tudo bem Bella, você vai aprender a confiar em mim, podemos ser amigos? – ele sorriu.

-Claro que sim Jacob – disse sorrindo mais ainda.

-Pode me chamar de Jake.

-Jake – nós rimos – você mudou para aqui?

-Sim, nós moravamos em uma reserva muito longe daqui, mas er... temos um problema para resolver aqui – ele parecia nervoso.

-Vampiros é? – com certeza era filha da Lilian, boca grande, mas era impossível esconder alguma coisa dele, algo naquele rosto me trazia confiança.

-Como... você... sabe? – eu ri, era mesmo fácil contar as coisas para ele.

-Digamos que eu sei mais do que você pensa – ele arregalou os olhos – já ouviu falar em um livro chamado crepúsculo?

Foi assim que eu conheci meu novo melhor amigo, eu tentei contar para ele mais ou menos sobre o livro, ele aceitou o pouco que eu podia contar e descobri que ele ainda não tinha se tornado lobisomem, pelo contrário ele não acreditava em nada disso, mas seu pai sim, por isso ele e todo o bando vieram morar em Londres para proteger a sociedade de seus inimigos, vampiros.

Eu e Jacob nos tornamos grandes amigos, mas só conversávamos por telefone, já que Edward não gostava dele, até tinha falado uma vez “Eu te deixo sozinha por um minuto e os lobos já descem”, de onde eu escutei essa frase? O que eu quero dizer é, eles tinham essa rivalidade idiota, que eu sabia que só terminaria quando Reneesme chegasse.

Falando em Reneesme, eu acho que eu serei mais compreensiva em relação a ela e o Jake, sabia muito bem que ele iria protegê-la muito bem. Pensar nisso tudo é muito bom pelo fato de agora sim poder saber o que vai acontecer depois de amanhecer, sempre tive essa curiosidade e agora eu ia vivê-la.

Para meu pior os dois meses passaram em um instante. Já estavamos no dia do meu aniversário e Alice desde que me viu no estacionamento da escola me falava que eu podia mudar o que estava para acontecer, eu novamente rejeitei suas idéias. Passei o dia inteiro olhando para Edward tentando gravar cada parte dele na minha mente, para assim ser mais fácil quando ele partisse, sabia que seria em vão.

Ele sabia que algo estava para acontecer, sabia que era algo sobre o livro, porém ele passou o dia inteiro me beijando e falando que ia dar tudo certo na festa.

-Meu amor, não fique preocupada com a festa eu vou está lá – ele sorriu um pouco, mas via seus olhos tristes, ele realmente sabia que algo estava errado.

-Nunca se esqueça que eu te amo Edward, nem por um segundo – seus olhos se estreitaram e senti que ela tetava se controlar.

-Nem você, minha vida – ele me beijou, senti seus braços ao meu redor tremer.

O dia foi estremamente ruim, Alice me arrumou parecendo que ia chorar a qualquer momento, antes de descermos para “comemorar” meu aniversário ela me deu um abraço muito apertado.

-Eu sempre estarei pensando em você Bellinha – escutei seu choro e minhas lágrimas escaparam.

-Eu tambem minha irmãzinha – eu me afastei e coloquei minhas mãos em seu rosto – tome conta dele Alice, por mim.

-Pode contar comigo e logo estaremos juntas de novo – minhas mãos cairam. Logo? Essa não era um significado para breve e sim de muito tempo.

Tudo aconteceu, extamente igual. Eu senti um dor enorme, mas não fisicamente e sim emocionalmente, vendo os rostos de todos os Cullen, eles sofriam. Como no livro Edward ficou me evitando e um dia me chamou para um passeio na floresta e foi na nossa campina que tudo terminou.

-Bella, eu não quero que você venha comigo. - Ele falou as palavras lentamente e precisamente, seus olhos frios no meu rosto, observando enquanto eu absorvia o que ele realmente queria dizer.

Eu sei que tudo aquilo era mentira, mas eu entendi como a Bella se sentiu naquela hora, suas palavras pareciam reais, e eu acreditei que eram. Senti minhas pernas tremerem e eu fiz aquela pergunta.

-Você... não... me quer? – Aquelas palavras sairam estranguladas e senti algumas lágrimas escaparem.

-Não. – Ele falou com firmeza. Será que o crepúsculo não ia ser realmente minha história? Porque aquelas palavras eram realmente verdade.

Eu não conseguir falar mais nada apenas o encarei querendo que eu tivesse escutado a Alice, tudo podia ser diferente. NÃÃÃO – gritei em pensamento – tinha que ser assim, seria assim.

-Eu sempre amarei você... de uma forma, mas eu estou cansado de fingir ser quem eu não sou, eu não sou um humano – ele respirou fundo e por um instante vim dor passar por seus olhos – eu lamento muito.

-Não lamente – olhei para dentro de seus olhos – não adianta falar que eu vou te esquecer, pois sou humana, porque isso nunca vai acontecer. Eu te amo Edward, agora e para sempre.

Agora sim eu vi dor passar por seus olhos, era isso que ele ia falar, mas eu falei antes dele. Vi suas mãos subirem mas deixou-as cair rapidamente, eu queria correr e abraçá-lo, porém não podia.

-Adeus Bella – ele se virou.

-Espera – sussurei, sabendo que ele ia me escutar. Como eu queria, ele se virou e foi até mim, me dando um beijo na testa e olhou para mim. Vi amor em seus olhos, e meu coração se partiu.

-Nunca se esqueça – repiti minhas palavras do outro dia e senti ele tremer, e então ele partiu.

Meu mundo caiu, senti como se minha alma tivesse partido naquela hora, era uma dor que não se pode explicar. Cada segundo, minuto ou dia não passava e sim se arrastava, contava cada segundo que fosse para sua volta, mas na verdade eu não sabia quando seria essa volta realmente.

Meus livros sumiram da minha estante a meu pedido, minha mãe com certeza havia os guardado, sentia eles preocupados comigo, porém nenhuma onde de felicidade passava por mim, eu realmente virei Isabella Swan, ou até uma morta viva. Não me arrumava mais e muito menos me olhava no espelho, tinha medo do que veria.

Logan e Mia ainda estavam na cidade, porém os evitava, não queria ninguem que me lembrasse deles. Quando ia para a escola tentava ficar longe de todos, mas o Will insistia em me acompanhar a todos os lugares, eu não ligava porque ele falava bastante me fazendo ficar ocupada por algum tempo. Sempre via os meus melhores amigos olhando para mim, mas eu me afastava, eu os amava e não imaginam o quanto, porém não podia me dar ao luxo de ficar perto de alguem que podia me fazer pensar neles, não podia morrer, ele voltaria.

Eu uma saída pela cidade de carro encontrei com Jacob e a partir desse dia não nos separamos, eu sabia que isso era egoísmo, mas não conseguia me afastar, ele havia virado uma ótima companhia, como na história ele me entendia, muito melhor do que eu mesma. Ele se transformou e tentou se afastar de mim, mas novamente voltamos a ficar unidos, ainda quando Laurent voltou a Londres...

-Você me pegou num mal momento, Bella. Eu não vim pra esse lugar por causa da missão de Victória - eu estava caçando. Eu estou com muita sede, e o seu cheiro é... simplesmente de dar água na boca.

-Ameace ele – era a voz do Edward, o melhor de tudo isso era poder escutar sua voz novamente, me trazia uma paz enorme.

-Ele irá se vingar – tentei fazer minha voz ficar firme, mas o medo era demais.

Ele gargalhou – Oh querida, quando ele vim aqui, seu cheiro terá desaparecido e seu corpo – ele riu – muito longe daqui.

Um rugido atravessou minha mente.

De repente lobos apareceram a minha volta e Laurente figiu, vi Jacob em sua forma e ao contrário do livro eu sorri para ele.

-Obrigada Jake – ele uivou e sumiu na floresta.

Jacob me contou tudo sobre eles e não nos separamos mais, ele era um ótimo amigo, quando estava com ele conseguia sorrir, mas não ficar alegre, somente uma coisa podia fazer isso acontecer.

Um dia eu resolvi visitar, para nadar, dessa vez queria ir sozinha, por isso não comentei nada com o Jake. Quando ele foi fazer procurar Victória eu peguei meu carro e fui para. Olhar aquele mar, me trazia paz. Estava calor então resolvi entrar na água, eu nunca fui boa atleta, mas sabia nadar. As correntezas estavam muito forte, mesmo eu tentando nadar nada conseguia fazer, fechei meus olhos perdendo os sentidos e escutei sua voz.

-Não desiste Bella – ele falava como se chorasse.

-Porque? – pensei. Eu queria ele perto de mim e não tinha.

-Para com isso, luta – ele estava irritado agora.

-Porque? – pensei novamentei.

-Por mim – ele suspirou – por mim. – Abri meus olhos e o vi. Era exatamente como eu lembrava, perfeito, meu Edward Cullen.

-Eu te amo, para sempre – pensei e fechei meus olhos.

Vi que não tinha mais jeito, então me entreguei a escuridão. Eu senti duas senti duas mãos quentes me segurar e me puxar para cima, me colocou na areia, fazendo respiração boca boca.

Era Jake e ele tinha me salvado. Quando recuperei um pouco dos sentidos, ainda sentindo aquele gosto salgado na minha garganta, percebi que ele ia voltar, uma onda de felicidade me atingiu, ele voltaria.

Jake me levou para casa, mas antes de estacionar eu vi o carro de Carlisle, era Alice – gritei em meus pensamentos – era ela. Foi difícil converncer o Jaocb a me deixar sair do carro e quando deixou vi que ele tinha raiva de mim.

Entrei na minha casa já sorrindo, pela primeira vez depois de muito tempo e ele era sincero, ia ver minha amiga, minha irmã, a fadinha. Acendi as luzes e vi Alice sentada no meu sofá, não pude esperar, corri e pulei em cima dela.

-ALIIIIIIICEEEE – gritei e comecei a chorar – não acredito que você está aqui, eu...

Comecei a soluçar e senti as mãos da Alice acariciando minhas costas.

-Calma Bells, está quase acabando, o pior passou – limpei minhas lágrimas e olhei para ela. Um sorriso brotou em seus lábios, porém seus olhos estavam tristes.

-O que foi? – Coloquei as mãos em seu rosto, ela soluçou e eu desesperei – Alice, me fala – abracei- a bem forte.

-Ler é muito diferente de sentir – soluçou novamente – foi muito difícil ver o Edward sofrendo e vê-lo indo embora, nossa familia inteira está destrossada e tambem não aguentávamos mais ficar longe de você – ela me abraçou – minha irmãzinha.

-Eu que devia estar chorando Alice, – olhei para ela – está quase acabando.

Alice me contou tudo que eu perdi, me dizendo tambem que havia procurado notícias sobre sua familia humana e logo depois conseguiu ler tudo no livro, até hoje não entendia o motivo dos outros não poderem ler os livros se muita coisa já tinha acontecido.

Jacob estava na minha casa e Alice tambem, uma ligação fez a corrida começar, a corrida para a salvação do meu amor.

-Bella – ela falou segurando meus braços, soluçando – eu tive a visão.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Fanfic: Um Edward em minha vida - Capítulo 25


Olá gente!
mais um fim de semana aqui postando pra vcs ;)
a nossa fic tá chegando ao fim... só faltam 2 capítulos para acabar =/
Mais não fiquem tristes por que já tem outra a caminho! \õ/
a próxima fic será da Caroline Bigaiski e se chama 'Baby Bella', eé a coisa mais meiga do mundo *o*
Mais agora, vamos aproveitar os momentos finais de 'Um Edward em minha vida' -FazCaraDeChoro-
boa leitura people ;*

Capítulo 25 - Resgate

(EDWARD)

Eu não sabia se tinha raiva do Logan por ter nos interrompido ou o agradecia, eu não podia perder o controle com ela. Tão frágil, tão delicada, o amor da minha vida, a minha vida. Nunca me perdoaria se fizesse mal a ela, porém algo na mente dele me alertou, eu sabia que ele estava com raiva, mas não parecia que tinha nos interrompido por ciúmes de irmão e sim por outro motivo. Tentei ler sua mente mas nada aparecia, isso era algo daquele livro, ele tinha medo que algo do livro acontecesse.

-Vamos para a floresta – Logan me chamou, mas não esperou minha resposta saiu correndo.

“Fique calmo Edward, ele só quer o bem dela” escutei os pensamentos da Alice, ela sabia o motivo de tudo isso.

-Pode deixar – sussurei.

Corri seguindo o cheiro do irmãozinho da Bella – ri com o pensamento – lembro muito bem que morria de ciúmes dele, antes ele tinha uns pensamentos meio confuso em relação a ela. Logan era um menino confuso, ainda mais quando a Mia o beijou, ele começou a percebê-la por outros olhos. No dia que a Bella quis bater nele ele ainda pensava que a amava, porém não parava de pensar no beijo e como tinha se sentido o pior de tudo para ele era olhar para a Mia e ver sua tristeza em seus olhos.

A Bella queria bater nele, mas sabia que se o fizesse se arrependeria depois como eu me arrependi de todas as grosserias que eu fiz com ela. A que me doeu mais foi quando desejei sua morte, quando disse aquelas palavras era como se eu morresse ainda mais quando vi aquelas lágrimas nos olhos da mulher que eu amo, a partir desse dia percebi meu amor por ela.

Aquele momento na nossa campina, deixei-me levar pelo momento e a partir de hoje tinha que me controlar se quissesse ficar ao seu lado, eu a amava, mais que minha própria vida e por isso tinha que cuidar dela.

Segui o cheiro e vi Logan encostado numa árvore com pensamentos incompreensíveis, era muitas palavras irritadas que preferi não prestar atenção.

-Logan obrigada – falei quebrando o silêncio. Ele por um momento me olhou confuso, mas sua raiva voltou.

“Do que ele está falando?” pensou.

-Obrigada por nos interromper, eu... – respirei fundo – não consegui me controlar, mas agora em diante sei que devo ter cuidado.

“Ele esta lendo minha mente?” Logan pensou confuso.

-Sim – respondi sua pergunta mental.

-Para com isso – ele bufou – você devia estar bravo e não contente – bufou novamente.

-Você impediu que eu pudesse machucá-la – aquela idéia era torturante, se algo acontecesse a ela por minha culpa, eu...

-Não estou com raiva disso – ele me interrompeu, tentei ler sua mente mais estava vazia.

-Então é de que? – quem estava confuso era eu.

-Como vou te explicar – ele ficou quieto por um tempo pensando e eu ainda não conseguia escutá-lo, livro idiota – você fará mal a Bella e eu não quero que ela se envolva mais do que já está envolvida, tenho medo – ele suspirou – por ela.

-Eu? – nunca faria mal a ela, do que ele estava falando? – Como assim?

-Não posso te explicar detalhadamente Edward, mas depois do encontro com o James – vi ele tremer – eu estou mais, como posso dizer? Mais protetor com ela, não posso deixá-la sofrer.

-Eu não quero que ela sofra, quero ela protegida também, mesmo se minha vida dependesse disso.

Ele suspirou e ficou andando sem silêncio de um lado para o outro, ainda sem eu poder ler seus pensamentos.

-A Bella me disse que não ia tentar mudar nada e que se ela sofresse não importava...

-Como? Não importa? É lógico que importa – a raiva dele passou para mim, como ela podia falar algo assim?

-Eu sei como se sente, porque eu sinto o mesmo, mas Edward – ele parou e me fritou – ela te ama, mais do que pode imaginar e essa é a forma dela demostrar isso.

-Eu tambem a amo – ela me trouxe a vida novamente, ela era minha alma.

-Eu sei disso – ele sorriu – eu tenho poderes, esqueceu? – nós rimos.

-Fico feliz dela ter alguem como você – sorri – te devo minha vida, por ter salvado ela.

-Não foi nada eu fiz o que deveria ter feito e olha o que eu ganhei em troca? Sou um vampiro e ainda tenho poderes – era a cópia do Emmett.

-Você saiu igual ao Emmett – ri e ele me acompanhou.

-Para mim isso é um elogio e voltando a Bells, por favor, trate ela o melhor possível.

-Nem precisa me pedir isso Logan – me aproximei e toquei seu ombro – eu a amo demais e tudo que a faz mal, faz a mim também, pode ter certeza disso. Não imagina a dor que eu senti quando ela me abandonou na festa, senti que não tinha mais chão – lembrar disse me fez sentir uma pontada no peito – nunca quero fazê-la sentir assim.

Ele suspirou parecendo triste.

-Me desculpa pelo ataque, mas é que não consegui pensar quando senti seu... er... sentimento – ele parecia desconfortável me fazendo rir.

-Tudo bem Logan, vamos voltar para casa.

“Tenho um plano sobre eu voltar a minha vida normal” ele pensou.

-Lá você nos conta tudo e vamos resolver para tudo dar certo, além do mais está ficando de noite e temos que resolver isso o mais rápido possível.

-Vamos – corremos de volta para casa.

(BELLA)

Já estava na minha cama e não conseguia me acalmar, o que será que acontecia naquela casa? Será que o Logan tinha brigado muito com o Edward? Levantei da minha cama agitada.

Precisava ligar para o Edward, mais se o Logan... Que se dane ele, vou ligar. Corri para meu telefone, mais senti alguns passos atrás de mim e pulei no meu lugar.

-Ai meu Deus Edward, quer me matar de susto? – olhei para ele e ele tinha uma careta no rosto, segurando o riso. Coloquei a mão no meu coração e ele parecia querer sair do peito.

-Me perdoa meu amor – ele se aproximou e pegou minha mão que estava no meu coração – não queria te assustar.

-Eu sei – suspirei. – Você adivinhou que eu queria te ver, ia pegar meu celular para te ligar.

-Desculpa a demora, mas o Logan me consumiu muito tempo – olhei para ver se ele tinha algum traço de preocupação ou alguma outra coisa, mas pelo contrário ele parecia brincalhão – que cara é essa Bella?

-O que aconteceu? – Eu juro que daria um jeito de matar ele se ele tivesse falado alguma coisa idiota para o Edward.

-Nós conversamos como seu namorado e seu irmão – ele sorriu e acariciou meu rosto – fica calma amor, nós nos demos bem e o entendi.

-O que ele te disse? – eu sabia o motivo dele ter ficado nervoso e ele não podia falar isso para o Edward.

-Só disse que tinha medo de eu lhe fazer sofrer – arrrrrrr trinquei meus dentes e umas lágrimas escaparam. – Porque está chorando?

-Porque estou com raiva – bufei.

Edward me abraçou e senti ele beijar o topo da minha cabeça.

-Não fique, ele não falou nada demais, só o que estava sentindo e eu o entendo Bells, de verdade, faria a mesma coisa pela Alice se soubesse de algo que o Jasper pudesse fazer com ela de mal – ele se afastou para me encarar – eu te amo e ele sabe disso, eu vou fazer o possível para o que tiver escrito naquele livro não aconteça.

Fechei meus olhos e suspirei. Como queria que ele não fosse embora, mas isso teria que acontecer, de um jeito ou de outro.

-Eu te amo Edward – abri meus olhos – obrigada por tornar esse sonho real.

-Você trouxe minha vida de volta, quem devia agradecer sou eu – nos beijamos.

-Bella? – minha mãe falou da porta, me assutei e virei meu pé, se Edward não tivesse me segurando, já teria caído, tudo tinha que ser igual não é?

Edward riu baixinho e eu lançei um olhar irritado para ele, ele me deu um selinho.

-Bella? – meu pé começou a latejar, droga.

-Diga mãe – falei rispida.

-Não vai comer nada?

-Não estou com fome – Edward me olhou insatisfeito – é verdade – sussurei para ele.

-Você não comeu a tarde inteira querida – será que ninguem entende que eu só quero ficar perto do meu amor?

-Quando eu acordar eu como o que você quiser, está bem? – ri comigo mesmo, dependendo dela, eu comeria um supermercado inteiro.

-Se prepare amanhã então, boa noite meu amor – ela ria.

-Boa noite mãe – ri tambem. Escutei seus passos descendo a escada.

-Ai meu pé – sentei na cama e tentei massageá-lo, Edward sentou do meu lado e massageou meus pés para mim, o frio dava uma sensação ótima.

-Melhor? – sorri.

-Sim e obrigada.

-Por nada, mas Bella, você precisa comer, se não vou parar de vim aqui – vi um brilho de mentira passar por seus olhos.

-Como se isso fosse verdade – ele bufou – amanhã voltarei a comer direitinho, mas o que faremos com o Logan? Resolveram alguma coisa?

-Sim, ele me disse que a Mia teve um idéia e ela é perfeita, você já sabe? – fiz que sim com a cabeça – Falei com Carlisle e amanhã vamos fingir que vamos em uma daquelas viagem de acampamento e encontrar o Logan, vamos fazer com que ele aparente que foi atacado por um urso, mas vai estar vivo.

-Será que vai dar certo? – suspirei.

-Tomara que sim e agora vá dormir, ficarei com você até amanhecer – sorri e beijei seus lábios perfeitos.

-Boa noite meu amor – disse e adormeci escutando minha música.

Amanheceu e Edward se despidiu de mim para preparar para o resgate, sumindo pelo minha janela. Naquela manhã eu estava mais confiante em relação a isso, mas alguém não saia da minha cabeça, Jacob Black. Pode ser estranho isso, eu sei, mas se o crepúsculo faz parte da minha história onde ele estava? Por um lado seria melhor, pois não queria fazer ninguem sofrer por minha culpa, mesmo não o conhecendo já o amava como um irmão exatamente igual o Logan, mas por outro lado, quem me salvaria do Laurent? E quem seria meu ombro quando o Edward fosse embora? – Senti um aperto no coração ao pensar – tambem quando eles fossem embora onde o Logan ficaria? Estaria do meu lado? Eram muitas coisas para pensar.

Muita gente não entendia como eu podia gostar do Jake, mas ele era o irmão que eu sempre sonhei ter, que me protegia, estava alí para me dar conselhos. Esse era o Jacob da Bella, mesmo ele sentindo aquele amor por ela que para mim sempre foi amor de amigo, ele que confundia.

Mesmo só o conhecendo nos livros, sentia ele como meu melhor amigo, queria ele por perto, mas onde ele estaria?

Levantei da cama ainda com os pensamentos a mil e fui tomar meu banho, sabia muito bem que hoje minha mãe ia me fazer comer um monte de coisas – ri – era muito a cara dela, coloquei uma roupa e desci.

-Bom dia pai, boa dia mãe – falei me sentando a mesa.

-Bom dia querida – os dois falaram.

-Não exagera, ok? – minha voz parecia implorativa.

-Será uma maça, panquecas, suco de laranja com acerola e omelete – ela riu.

Bufei e comecei a comer o que ela tinha feito, quando acabei senti minha barriga embrulhar, mas não era pela comida e sim de ansiedade, quando será que eles iam ligar para dar a notícia?

-Mãe vou para meu quarto, qualquer coisa qualquer mesmo me chama, está bem?

-Tudo bem – ela falou com a sobrancelha levantada.

Subi e resolvi pegar um livro para ler, se eu ficasse parada ia ter um infarto. Peguei o livro que minha mãe tinha comprado para mim, Marcada, ela sabia o quanto eu gostava de livros de romance e com vampiros.

Fiquei lendo até a hora do almoço e quando sentei na mesa, o telefone tocou, meu coração parecia querer sair para fora do peito, olhei para o telefone aflita.

-Quer atender filha? – meu pai perfuntou.

-NÃO – falei mais alto do que devia e meu pai foi atender.

-Alô? – ele ainda tinha uma expressão normal – Ah oi senhor Cullen – meu coração – está bem Carlisle... Como? Mais onde?... Já ligaram para a polícia?... a Bella vai ficar super feliz – ele olhou para com um sorriso gigante, que alívio, estava dando certo – Mantenha-nos informados... boa tarde Carlisle – ele desligou.

-O que o Carlisle queria, pai? – Fiz a melhor cara de inocente possível.

-Tenho uma ótima notícia para você, mas você precisa ficar calma, está bem? – fiz que sim com a cabeça, precisava dar um ataque? Chorar? Gritar? Pular? Deus me ajuda – Os Cullen estavam na floresta em um daqueles acampamentos e encontraram – ele ficou quieto por algum tempo.

-Encontraram?

-O Logan vivo, porém muito machucado – abri minha boca em um O.

-Como? – Como eles conseguiram machucar ele?

-O Logan está vivo querida – minha mãe correu para meu lado.

-Meu amor que notícia maravilhosa, onde ele está agora?

-Foi para o hospital do centro, vamos para lá? – lágrimas cairam dos meus olhos, tudo voltaria ao normal – não chora meu bem, está tudo bem agora.

Meus pais me abraçaram e eu me senti melhor. Anthony pegou as chaves do seu carro, um Fusion preto e fomos em direção ao hospital. Eu não conseguia parar no lugar, estava muito agitada.

-Quer parar com isso Bella? – Lílian falou.

-Não da – falei igual uma criança e ela riu.

Assim que paramos o carro, sai correndo para entrar no hospital.

-Bella para de correr, se não quem vai para o hospital será você – minha mãe gritava rindo. Entrei pela porta bufando.

-Até parece – sussurrei sem olhar para frente e bati com Alice – Ai – esfreguei meu braço.

-Desculpa Bellinha - ela sorria e piscou – deu tudo certo.

-Até parece que você não sabia disso – nós rimos – sinto muito pelo que houve – ela sabia que eu falava de seu passado,

-Obrigada por tudo Bells, minha irmãzinha – nós rimos e ela me abraçou.

-Alice querida – meu pai falou já do meu lado.

-Olá Anthony e Lilian – seu sorriso era exagerado.

-Oi meu bem – minha mãe quem falou – como o Logan está?

-Está acordado agora, mas muito machucado – ela fungou, Alice realmente sabia fingir.

-Minha querida não fique assim, logo ele estará bem – minha mãe abraçou a Alice – Alice você está com frio? Está muito gelada.

Eu cai na risada e vi Alice me olhando como se alertasse.

-Desculpa, é que eu lembrei de uma piada – minha mãe revirou os olhos

-Eu e seu pai vamos falar com os pais do Logan.

-Ok mãe – eles foram em direção da sala de visitas – como vocês machucaram ele? É de mentira não é?

-Na verdade... – ele me olhou preocupada – não.

-COMO? – gritei e ela tampou minha boca.

-É lógico que são de me mentira. Nós falamos para o Logan falar que só queria que Carlisle o tratasse, para ninguem notar nada.

-E os pais dele?

-Estão melhores, choraram muito quando receberam a notícia, mas quando viram ele acordado, ficaram mais calmos.

-Tudo voltará a ser como antes – sorri.

-Você quer se livrar da gente Bellinha? – era a voz do Emmett, me virei e vi ele de braços cruzados com um biquinho de criança e ao seu lado estava Edward tambem com braços cruzados.

Cai na risada, os três me olharam como se tivesse maluca.

-Edward ela não quer mais a gente – Emmett falou emburrado e eu ri mais.

-Não... é... que... – falei em soluços mais não consegui falar direito e voltei a rir. Corri e abracei o Emmett e me joguei nos braços do Edward lhe dando um beijo rápido.

-Larga meu irmão sua sem sentimentos – Emmett ainda falava emburrado, corri e o abracei – eu ainda estou chateado.

-Emmett eu não falava sobre vocês, quis dizer em relação a voltar a ser como antes do Logan virá vampiro – falei a última palavra em um sussuro.

-AAAAAAAHHH BEELLINHAA – ele me abraçou, leia-se me esmagou.

-Emm... eu... – ele riu e me soltou.

-Meu amor – Edward me deu a mão – o Logan quer falar com você.

-Não estou com vontade – fiz biquinho tambem.

-Alice estão nos chamando alí – Emmett puxou a Alice.

-Eu não escutei nada Emm – ela disse e Edward riu.

-Larga de ser burra Alice – Emmett falou, ela fez bico tambem e saiu do hospital com Emmett.

-Não adianta que eu não vou falar com ele – bufei e tentei sair do abraço do Edward.

-Você não vai sair daqui – seu abraço era forte, bufei novamente – eu já te expliquei Bella, ele fez o que fez porque estava preocupado.

-Puff – bufei de novo.

-Para com isso Bella – ele levantou meu rosto – ele está mal por você.

-Mais Edward...

-Mais nada, vai lá. O quarto é o 107 – ele me soltou e apontou para o corredor dos quartos.

-Arrrrr – me virei e fui em direção do quarto, parei com as mãos na maçaneta.

-Entra Bells – escutei sua voz. Arr ouvidos aguçados idiotas.

Abri a porta e vi Logan sentado na cama me olhando com um sorriso meio envergonhado.

-Senta aqui – ele bateu no espaço vago na cama. Fiz o que ele pediu, em silêncio.

-Cadê a Mia? – falei a primeira coisa que passou pela minha cabeça.

-Ela foi embora agora pouco, obrigada pela mãe dela – ele ainda sorria e eu não conseguia olhar para ele, apenas vi em seus braços alguns arranhados, mas não pareciam reais – Isso foi de mentira, é apenas tinta.

-Hum – só consegui falar isso.

-Olha Bella, me perdoa pelo que fiz, mas eu senti medo de você se envolver tanto com ele, pensei que assim você poderia sofrer menos depois.

-Eu sei.

-Calma Bella eu... – ele parou – o que você disse?

-Eu sei – não conseguia sentir mais raiva dele.

-Você me perdoa? – Olhei para ele e sorri.

-Sim – ele me abraçou e suspirou.

-Obrigada pequena – retribui o abraço.

domingo, 6 de dezembro de 2009

Fanfic: Um Edward em minha vida - Capítulo 24



Olá gente!
estão aproveitando bem as férias? xP
espero que sim, e agora se preparem pra aproveitar ainda mais lendo o capítulo 24 da fanfic prediléta da equipe Mytwilife \õ/
boa leitura people ;*

Capítulo 24 - Irmão & Vampiro ciumento

Eu olhei para o rosto da Mia e vi seus olhos arregalados de dor, como se algo tivesse acertado seu estômago, algumas lágrimas escaparam de seus olhos. Logan foi se aproximando percebendo como ela se sentia, olhei para ele alertando que ficasse parado.

-Que brincadeira de mal gosto é essa? – por um momento vi a raiva passando por seus lindos olhos.

-Não é brincadeira – tentei colocar minha mão em seu ombro mais ela se levantou antes do toque, mas ainda olhava para mim, não buscando a origem da voz.

-Eu escutei a voz do... – sabia que ela sentia dor quando falava o nome do Logan.

-É ele – voltei a encarar o Logan com um sorriso que ele retribuiu – olhe para trás e verá. Mia lembra-se que você disse.

-Bells por favor não faça isso comigo, eu já estou sofrendo o bastante.

-Primeiro olha para trás e depois se quiser podemos ir embora – eu ri.

-Você ainda ri de uma coisa dessa? – a raiva já tinha passado.

-Está esperando o que? – levantei e cruzei meus braços – não tenho o tempo todo para ficar aqui não, além do mais tem coisa melhor para eu fazer – vi Logan me lançar um olhar irritado, o que me fez rir mais.

Mia olhou para mim e suspirou, com certeza estava travando uma batalha dentro dela. Acreditaria em mim e no coração dela, ou na razão? Se ela virasse para trás e não visse ninguem certamente ia sofrer mais do que antes. Uma dor que eu sentiria daqui um tempo – meu coração parecia que dava um nó – senti os olhos do Logan em mim, não entendendo o motivo da minha ângustia, apenas balancei a cabeça, dizendo que não era nada.

Devagar Mia foi virando, mas vi seus olhos fechado, fui para seu lado e apertei sua mão.

-Acredita em mim – vi seus olhos se abrindo e quando viu o Logan senti seu corpo tremer – Logan...

Ele correu para nosso lado e segurou a Mia, antes que ela chegasse no chão. Seus olhos permaneciam um no outro, ela fechou o dela e sorriu.

-Meu amor – ele sorriu e aproximou sua boca de seu ouvido.

-Estou aqui – ele voltou para encarar seus olhos e sua boca abriu em um sorriso que nunca vi ele dar antes, era perfeito.

-Você é um vampiro? – eu ri, mas os dois nem pareciam ter notado minha presença.

-Sim – ele encarou algo no chão, ela levantou seu rosto para perto do dela.

-Meu namorado é um vampiro – os dois sorriram e depois ela olhou para mim – os Stewart tem algo haver com isso?

-Na verdade tem – ela sorriu e eu prosegui – sabe o crepúsculo? – ela afirmou com a cabeça – os Stewart são na verdade os Cullen – ela caiu na risada.

-Seu sonho se realizou não é amiga? Finalmente encontrou seu Edward Cullen - eu sorri – nossos namorados são vampiros.

-Sim – eu sabia que ela ia perguntar, uma hora ou outra.

-O que está no livro vai acontencer não é? – sabia de qual parte ela falava, pelo visto meus amigos se preocupavam de eu ficar com a Bella Swan.

-Algumas coisas já aconteceram, só que não posso falar sobre o livro aqui, já que os Cullen estão ouvindo, o Logan vai te explicar tudo depois, agora eu tenho que voltar, vou deixar os dois à vontade – pisquei e antes de sair escutei Logan me chamando.

-Obrigada de novo pequena.

-Eu te devo minha vida – nós sorrimos e eu fui em rumo a casa dos Cullen.

A cada passo meu sorriso se aumentava, tinha juntado novamente meus melhores amigos-irmãos e agora não era somente eu que tinha um namorado vampiro. VAMPIRO, gritava em pensamento. A um tempo atrás eu era a fã enloquecida que via o filme uma vez por dia, no mínimo, lia os livros sem parar, qualquer coisa que via falava algo que tinha a ver com o crepúsculo e agora a garota que sempre foi feliz por somente ter o mesmo nome da personagem, tinha a própria familia Cullen para ela e o melhor tinha o melhor namorado de todos, Edward Cullen.

Eu namorava o personagem mais perfeito, mais inteligente, mais carinhoso, mais amoroso, mais TUDO.

Não demorou muito e eu já estava na frente da casa. Edward estava encostado em seu volvo com um sorriso reluzente, me aproximei também sorrindo.

-Vejo que deu tudo certo, não é?

-Você sabe disso melhor do que ninguem – falei ainda com um sorriso bobo na boca, ele era meu.

Eu encostei no carro ao seu lado e num instante ele estava na minha frente com as mãos dos dois lados da minha cintura com seu rosto muito próximo do meu.

-Será que agora teremos um tempo só para a gente? – ele tinha um sorriso malicioso na boca. Passei minhas mãos em seu pescoço e enrolei seu cabelo com um de meus dedos.

-Só se a Alice e o Emmett deixarem – nós rimos e eu me lembrei da Alice – Edward a Alice descobriu sobre o passado dela? – seu sorriso se quebrou.

-Sim e ela... – ele me abraçou e eu sentia que ele sofria por sua irmã.

-Calma meu amor, eu sei que ela está feliz com vocês e o que aconteceu é passado – afaguei suas costas e ele voltou a me olhar, com um sorriso que seus olhos ainda não demostravam.

-Vamos sair daqui? – ele acariciou meu rosto – Preciso ficar sozinho com você.

-Onde você quer me levar?

-O Logan já saiu da nossa campina, quer ir para lá?

-É claro – ele sorriu e me colocou em suas costas.

Não demoramos muito para chegar ao nosso destino, porém ainda me fazia mal toda aquela velocidade. Foi só eu olhar para nossa campina que me senti bem novamente, aquele lugar me trazia uma paz enorme e ainda mais quando estava com Edward.

Ele me colocou no chão e me abraçou.

-E então o leão se apaixona pelo cordeiro... – murmurrou olhando para mim sorrindo. A minha frase favorita estava sendo dita e era para mim, não podia acreditar.

-Que cordeiro idiota.

-Que leão doente e masoquista. – Eu fechei meus olhos e suspirei – Você não sabe o quanto tempo te esperei.

-Nem você. – Suspirei novamente, ainda com os olhos fechados.

Edward envolveu minha cintura e me beijou. Como era bom aquele beijo. Ele me apertou mais em seus braços e senti seu beijo virar urgente, de repente ele parou e olhou dentro dos meus olhos. Eu vi desejo neles e sabia o quanto era difícil para ele, tinha que me afastar, tentei pelo menos, mais suas mãos não afrouxaram na minha cintura.

-Edward é melhor... – ele não deixou eu terminar, levantou sua mão e tocou um de seus dedos em minha boca, não deixando eu continuar.

-Só um minuto – continuei olhando para seus olhos e logo vi eles se acalmarem, Edward sorriu – eu sou mais forte do que imaginava.

-Pena que não posso dizer o mesmo – lembrei do que havia dito e ri.

-O que é engraçado? – ele tinha um sorriso malicioso no rosto.

-Não importa – afundei meu rosto em seu peito – o importante é que estamos juntos, finalmente.

Ele levantou meu rosto – Para sempre.

-Para sempre – repiti e o beijei. Esse beijo era diferente, começou urgente. Edward me deitou na grama e ficou por cima de mim ainda me beijando porém estava segurando seu peso, uma de suas mão na minha cintura e outra estava no meu rosto. Enrosquei minhas mãos em seu cabelo, fazendo se aproximar mais de mim.

Antes que eu ficasse sem respirar, Edward desceu seus lábios da minha boca para meu pescoço me fazendo rir.

-Achando graça? – ele ainda beijava, me fazendo rir mais.

-Faz cócegas – eu ainda ria e ele voltou a bejar meus lábios, me apertando mais a ele.

-Bella? – Escutei uma voz conhecida, mas não parei para pensar quem era, só me importava aquele momento com Edward. Parecia que ele tambem não se importava pois continou a me beijar, sem se incomodar. De repente ele parou e bufou.

Eu ainda olhava para ele meio abobalhada, estava tonta, que beijo foi aquele? Será que era assim com a Bella Swan tambem? Na verdade não consigo me lembrar mais de nada, minha cabeça rodava.

- Isabella Masen Hudgens, venha para meu lado agora mesmo – era a voz do Logan? Olhei para a direção da voz e o vi, de braços entrelaçados com uma cara que ia matar alguem e pior ele olhava para mim – Está surda?

-Não fale assim com ela, Logan – Edward me defendeu. Ele me ajudou a levantar, já que me sentia tonta ainda, aos poucos me recuperei, porém não conseguia tirar os olhos do Logan, o que eu tinha feito de errado?

-Você – ele olhou para Edward, de um jeito que me deu medo, parecendo um vampiro – não se intrometa, isso é entre eu e ela.

Edward não falou mais nada, porém deu a impressão de eu escutar um risinho.

-Isabella venha aqui – Logan novamente me chamou.

-Qual o motivo de tanta irritação? – ainda continuei parada ao lado do Edward.

-Quer mesmo saber? – fiz sim com a cabeça – Não sei mais se esse vampiro é bom namorado para você...

-Do que você está falando? – O interrompi.

-Ele – Logan virou para encarar o Edward e depois virou-se para mim – não te beijava com carinho.

-Eu não estou entendendo nada – Ele estava maluco?

-Ele te beijava com desejo – O QUE? Para tudo que eu quero descer. Na mesmo hora olhei para o Edward que tinha um sorriso torto no rosto, parecendo envergonhado, com certeza eu estava roxa de vergonha, ficamos nos olhando sorrindo, até que o irritante do Logan nos atrapalhou novamente.

-Venha aqui Isabella, antes que eu te busque.

-É Bella, Logan e eu vou ficar com o Edward.

Logan não falou nada apenas correu para meu lado, abaixou e pegou minhas pernas me jogando em seu ombro.

-Me larga Logan, AGORA – gritei – Edward?

-Logan, solta ela.

-Cala a boca – não escutei mais nada, somente fechei meus olhos e senti o vento passando por mim enquanto Logan corria.

Quando ele parou, senti sendo colocada no chão e ele pegou na minha mão, me puxando para dentro da casa.

-Rosalie – ele chamou e logo sua figura de fada desceu pelas escadas.

-Fala Logan – ela me olhou rindo, Alice deve ter falado algo a ela,que vergonha, senti minhas bochechas ferverem, tambem de raiva, meu braço estava doendo. Puxei para soltar da mão de Logan, mas ele me impediu.

-Está doendo seu imbecil – ele respirou fundo e me soltou.

-Me empresta seu carro que vou levar a Isabella para casa.

-É Bella e quem você pensa que é? Meu pai? – ergi minhas sobrancelhas.

-Não sou ele, mas quer que eu conte a ele o que sua filha fazia na floresta com o namorado? – o sangue subiu para minha cabeça, me fazendo bufar queria tanto dar um soco nele, porém se o fizesse quem ia sofrer as consequências seria eu – Rosalie?

-Pode levar.

-Você ainda não pode sair na rua Logan – escutei a voz do Edward atrás de mim.

-Rosalie pode levar ela para mim? – eu juro que eu mato o Logan, tudo bem que a Rosalie não era tão antipática como a do livro, mas eu ainda tinha medo dela, alem do mais que quem fará o Edward quase morrer será ela.

-Eu quero arrumar meu cabelo – ela falou emburrada, mas algo no olhar do Logan fez ela mudar de idéia – está bem, eu levo.

-Pode deixar que eu levo Rose – Edward falou.

Senti sendo puxada para perto da escada.

-Nem sonhe com isso Cullen, quero você longe dela e depois que ela for embora, nós dois teremos uma conversa – ele olhou para mim – que depois será com você moçinha.

-ME LARGA LOGAN – puxei meu braço agora conseguindo me soltar – Rosalie vamos embora por favor.

Ela foi para meu lado e fomos em direção a porta. Edward olhava para mim com uma expressão preocupada porém parecia divertido, com certeza pelos pensamentos do Logan, sorri em resposta.

-Até depois – ia dar um beijo.

-Isabella anda – Logan me puxou para fora de casa e me colocou dentro do carro da Rosalie que já estava aberto – só para esse carro quando estiver na casa da Bella.

-E meu carro? E a Mia? – perguntei.

-Depois alguem leva seu carro e a Mia já está em casa – Logan falou ríspido.

Logan fechou a porta imediatamente e chinguei mentalmente aquele poder dele, se não fosse isso eu e Edward ainda estariamos na clareira, pensando melhor, acho que isso não seria verdade, já que o crepúsculo era minha história nada aconteceria, pelo menos não agora, muitas coisas ainda estavam para acontecer. Mesmo assim sentia raiva do Logan, uma raiva que aumentava cada vez mais.

Estava tão nervosa que nem escutei Rosalie me chamando.

-Bella? – sempre tive raiva dela, mas agora eu participando da história e saber da história de sua vida, me trazia uma onda de pena e a raiva não vinha.

-Desculpa, estava pensando no que aconteceu – virei para olhá-la e a mesma encarava a estrada, parecia com medo de me olhar? – Rosalie você está bem?

-Sim – sussurou – só que...

-Pode falar Rosalie.

-Me chame de Rose – como? Ela estava me tratando bem? – se você leu aqueles livros, já deve saber minha história.

-Sim – eu não sabia o que falar mais.

-Sabe até – ela parou por um tempo – de como me transformei? O motivo?

-Sim – ela respirou fundo.

-Isso me poupa tempo, já estava querendo te contar isso e te explicar o motivo de...

-Me odiar? – ela olhou para mim chocada mas depois abriu um pequeno sorriso como se desculpasse.

-Eu andei te tratando mal porque como você pode ter coragem de namorar um vampiro? E tambem o Logan soltou uma vez que você queria se transformar tambem – nota mental matar o Logan – você tem uma vida maravilhosa e pode ter uma familia...

-Para – gritei e ela me olhou assustada – Rose eu quando li o livro tive raiva de você, mas agora estando aqui eu não consigo ter raiva, porque te entendo melhor. O meu futuro é do Edward, eu decidi isso muito antes de conhecer vocês, eu o amo, mais do que você pode entender.

Ficamos em silêncio por muito tempo.

-Você não poderá ter filhos – aquilo me acertou no peito, como queria poder falar para ela.

-Eu sei o quanto você queria ter um filho e eu sinto muito, mas para mim – virei para encará-la – é está ao lado do seu irmão e para sempre.

Parecia que falar isso foi o que bastou, pois a Rose não falou mais nada, até que chegassemos na minha casa. Ela parou o carro aguardando eu sair.

-Me perdoa por qualquer coisa e sinto muito por seus desejos não se realizarem, mas Rose – ela olhou para mim tristemente – você tem o Emmett e caramba ele é um cara perfeito, amoroso, brincalhão e o principal de tudo te ama mais que tudo, eu posso falar isso porque eu sei disso.

Ela olhou para baixo e eu peguei na mão dela.

-Não deixe seu passado afetar seu futuro – ela me olhou.

-Fico feliz do meu irmão ter te encontrado – eu sorri.

-Obrigada – me lembrei do livro, já que até a parte do James tinha acontecido, eles já podiam ler? – Rose você tentaram ler o livro depois dos últimos acontecimentos?

-Alice pediu para todos tentarem mais um vez, porém de novo estava tudo em branco – estranho, então esse não era um livro para todos lerem, somente humanos? Essa era a melhor explicação.

-Então até outro dia – sai do carro e me virei – faz um favor para mim?

-Pode falar – ela sorriu.

-Avisa para o Logan que não venha me visitar, porque tão cedo quero ver aquela cara dele.

-Aviso sim – ela ainda sorria – tchau Bella.

Acenei para ela e fui para minha casa. Finalmente tinha ganhado um pouco de simpatia da Rose. Entrei em casa e meus pais estavam sentados no sofá.

-Oi minha filha – meu pai falou. Fui até eles e os beijei, sentando no meio.

-Oi – falei meio seca. Que raios o Logan tinha que sempre atrapalhar.

-O que foi querida? – minha mãe quem falou colocando um dos braços no meu ombro.

-Lo... – me lembrei que para eles o Logan estava morto.

-Eu sei que deve ser difícil para você e...

-E o que? – ela estava me escondendo algo. Minha mãe se virou para mim e senti as mãos do meu pai no meu ombro.

-Os políciais cancelaram as buscas – tomei fôlego.

-Humm – isso me fez esquecer de qualquer raiva que eu sentia. Ainda não tinhamos pensado no que fazer para o Logan voltar a andar pela cidade, voltar para sua casa.

-Os pais da Mia disseram que ela recebeu a notícia muito bem – Lilian continuou, mas com uma cara de descrente.

-Talvez ela saiba que tudo vai acabar bem e já esteja conformada – que seu namorado virou um vampiro, completei em pensamento.

-Vocês duas estão estranhas, primeiro você, não parecia abalada com a morte de seu amigo e agora ela, ele não era namorado nela? – minha mãe tagarelava.

-Mãe, você não vai entender – levantei – deixa eu ir para meu quarto que quero ligar para a Mia.

Subi as escadas e corri para encontrar meu celular. Tocou e logo Mia antendeu.

-Amiga, MUITO obrigada por tudo – ela estava muito animada.

-Eu juro que se seu namorado não fosse vampiro ele ia morrer.

-O que ele te fez? – ela riu.

-Você está rindo? Eu estava com o Edward na nossa campina e o Logan chegou lá enlouquecido, me fazendo vim para casa com a Rose.

-Mas o que você e o Edward estavam fazendo na floresta para o Logan ficar nervoso? – ela riu mais.

-A gente... er... estava só... namorando – falei como se estivesse engasgada.

-Qual o significado de namorando? – ela ria ainda.

-Nos beijando Mia – bufando.

-Beijando? – ela gargalhou – O Logan me disse que estava preocupado com você, pelo que vai acontecer, do Edward ir – ela parou – embora.

-Eu sei – senti uma lágrima cair dos meus olhos.

-Não brigue com ele, o Logan fez o que fez por medo de você sofrer e Bells – ela respirou fundo – depois dele salvar sua vida, parece que ele ficou mais preocupado com você, como se uma parte de você passasse para ele.

-Isso não é motivo para ele nos atrapalhar – bufei novamente.

-Fica calma e obrigada de novo, você não sabe o quanto estou feliz – eu sorri.

-Eu não disse que tudo daria certo?

-É verdade.

-Mudando de assunto, como a gente fará para o Logan voltar a vida normal?

-Eu conversei isso com ele, a mãe dele deu um apartamento para ele e o melhor de tudo é perto da floresta, a gente podia dar um jeito de fazer uma busca com os Cullen e fingir que o achamos, depois ele pede para os pais para morar sozinho, não sendo perigoso o descobrirem, o que acha?

-Perfeito – sorri.

-Eu preciso desligar, minha mãe está me chamando, te amo amiga.

-Eu tambem Mia, até mais – desligamos.

Suspirei. O que será que está acontecendo na casa dos Cullen agora?


domingo, 29 de novembro de 2009

Fanfic: Um Edward em minha vida - Capítulo 23


Oi gente!
o capítulo 23 dmeorou mais aqui está ele! \õ/
e infelismente a nsosa fanfic já está quase no fim =/
faltam apenas mais 4 capítulos pra ela acabar 'cry
então, espero que aproveitem esses momentos finais xD
boa leitura ;*

Capítulo 23 - Meu irmão vampiro

Se eu não soubesse que eu tinha ossos na minha boca, ia jurar que minha boca tinha caído do chão.

-Vai continuar babando com minha beleza vai? – tinha que jogar piadas numa hora dessa?

Ainda não conseguia falar nada estava imprecionada demais para formular alguma frase ou palavra. Eu não conseguia ver direito, virei e acendi a luz, me arrependendo. Ele estava branco demais, lindo demais e com os olhos estranhos, não estava totalmente vermelho, tinha alguns fios dourados ou marrom , então ele já tinha se alimentado.

-Isso está me irritando Bells – cai na cama e começei a chorar. Senti ele sentando ao meu lado afagando meus cabelos.

-Me perdoa... – ele tampou minha boca.

-Bells da minha vida eu não estou te culpando de nada, pelo contrário – olhei para ele e ele sorria.

-Como assim? – falei fungando e ele limpou minhas lágrimas.

-Eu não sabia que ser vampiro era tão divertido e olha para mim – ele se levantou e deu uma volta me fazendo rir – estou mais bonito que o Brad Pitt.

-Ahhhh Logan – corri até ele e o abracei – fiquei com tanto medo.

-Eu fiquei tambem quando pensei que você podia morrer – ele me apertou beijando meus cabelos – se algo tivesse acontecido com você, nunca iria me perdoar.

-Nunca se esqueça que eu te amo - olhei para ele e ele ria – o que foi?

-Tem como alguem não me amar? – dei um tapa nele e eu senti a dor, ele caiu na risada – adorei isso, você me bate e você sente a dor.

-Você é um idiota sabia? – bufei e voltei para minha cama.

-Bella... – ele sentou do meu lado e eu me afastei.

-Logan porque você consegue tudo que quer? – ele ergeu a sobrancelha – nessa hora era eu para ser a vampira, EUUUUUUU – gritei e ele tampou minha boca.

-Você não sabe o que está dizendo – ele agora estava triste.

-Não vem dar uma de Edward agora – bufei novamente.

-Pequena, não era para acontecer, se você não se transformou agora é porque tem muita coisa pela frente. Você melhor do que ninguem sabe disso – suspirei. Isso era verdade, se eu me transformasse agora não poderia ter minha filha, meu bebê.

-Pode até ser, mas Logan... – voltei a chorar.

-Você é bipolar? – dessa eu tive que rir – você estava triste, depois alegre, agora pouco com raiva e voltou a ficar triste? Precisa de um médico – nós rimos.

-Logan como será daqui para frente ? – suspirei – Eu realmente acabei com a sua vida.

-Nunca mais diga isso – disse ele com suas mãos segurando meu rosto.

-A é? – me levantei e olhei bem dentro dos seus olhos – me explica como você vai aparecer para seus pais e para Mia?

Parecia que ele tinha levado um soco na barriga pois muxou e virou-se para a janela, ficamos um bom tempo sem silêncio.

-Não vou voltar – ele falou como se chorasse e ainda olhava para a janela. Me aproximei e o abracei pelas costas.

-Eu tive uma idéia – sorri e ele se virou me olhando descrente.

-Qual é?

-Logan, a Alice disse que você tem um poder não é? – ele agora sorria.

-Até nisso a gente é parecido Bells, o meu poder é parecido com um dos seus...

-Deixa eu terminar – ele não falou nada então prosegui – se você pode mesmo se controlar em relação a sentir sede eu acho que você pode voltar a rotina normal, perto dos humanos – ele tinha um sorriso gigante na boca, pelo visto ele sabia que eu estava certa.

-Você é muito inteligente e Bells tem algo que você ainda não sabe – ele piscou e sentou na minha cama, e eu sentei ao seu lado.

-Sobre seu poder? – ele balançou a cabeça positivamente.

-O meu poder não é exatamente autrocontrole, eu posso fazer as pessoas ao meu redor sentir qualquer tipo de sentimento e posso sentir qual a pessoa sente – minha boca abriu.

-Como... é... que... é? – eu respirei fundo e ele riu – como assim “eu posso fazer as pessoas ao meu redor sentir qualquer tipo de sentimento”?

-É isso mesmo que você entendeu – ele riu – descobri isso quando eu vi o Edward, ele estava muito feliz com algo que tinha acontecido e como eu sabia que ele estava com você, acabei fazendo a ligação – ele respirou fundo – comecei a sentir uma onda de amor, algo que nunca senti antes, mas ela vinha do Edward. Eu fiquei feliz por ver que ele te amava, porém uma onda de raiva tomou conta do meu corpo e quis que ela fosse transmitida para ele. De uma hora para outra ele começou a quebrar alguns vasos ao redor, me fuzialando, o Emmett começou a rir falando que ele tinha pirado e eu o acompanhei, a raiva passou na hora e eu e o Edward percebemos o que eu tinha acabado de fazer, decobrindo meu poder.

-Seu idiota, você podia ter causado algum acidente. Será que você não vê que esse tipo de poder não é brincadeira – suspirei - Logan você pode fazer uma pessoa sentir raiva, uma raiva que pode fazê-la machucar alguem ou algo pior.

-Eu sei Bells, mas na hora não consegui controlar – ele segurou minha mão - Carlisle me falou praticamente a mesma coisa que você e eu entendi. E a propósito, eu gostei o Emmett.

-Quem não gosta dele? – nós rimos.

-Você ama mesmo ele não é? – sabia muito bem de quem ele falava.

-Não imagina como – suspirei – você sabe de tudo o que vai acontecer comigo, já que leu os livros.

-É isso que estou preocupado, quando eu fiquei irritado naquela hora foi porque eu me lembrei de quando o Edward foi embora – eu abaixei minha cabeça e ele a levantou – não quero que você sofra Bells.

-Isso terá que acontecer, já me decidi, não vou tentar mudar nada. A última coisa que tente mudar ficou pior.

-Alice me explicou que não podemos falar nada do livro para os Cullen, não é atoa que o Edward não percebeu o motivo da minha irritação naquela hora.

-Eu ainda não entendo como as pessoas ainda não perceberam eles, será que eu sou a única fã desse mundo? – nós rimos.

-Esqueceu que eu percebi tambem – ele piscou para mim – talvez era para apenas, você descobrir, por ser sua história e como eu estava envolvido...

-Pode ser – suspirei – que bom que você está aqui e Logan...

-Não precisa agradecer pequena, eu sei o quanto eu sou perfeito, maravilhoso, um ótimo irmão, inteligente, engraçado...

-Cala boca seu idiota – ele me abraçou – eu tambem te amo.

-Que bom que você está bem – eu sai do seu abraço e olhei dentro dos seus olhos.

-Muito obrigada – sorri sinceramente.

-De nada meu anjo.

-Logan, como você vai fazer com a Mia? – ele virou o rosto e encarou meu sofá.

-Não sei, e se ela não me querer? – puxei seu rosto para poder ver seus olhos, que estavam tristes.

-Ela te ama seu bobo, como não vai te querer – acariciei seu rosto – tenho certeza que para ela não importa se você é vampiro ou humano, além do mais, vai ser dois casais estranhos agora – ele não conseguiu deixar de rir.

-Obrigada Bells – ele me abraçou.

-Eu te devo essa e muitas outras – ele riu ainda no abraço.

-Vou cobrar e falando nisso – ele segurou minha cintura me olhando com uma cara de ciumento – não quero você sendo como a Bella não.

-Como é?

-Ela dava muito em cima do Edward – eu comecei a rir – onde está a graça?

-Ela não dava em cima do Edward, ela só demostrava o amor que ela sentia por ele.

-Não vou falar mais nada e já está avisada moçinha – ele falou como meu pai.

-Como anda a vida de vampiro? – seus olhos ficaram de uma hora para outra exitados.

-Maravilhosa, nossa Bells, não sabe o quanto é divertido ser um vampiro, além da beleza – eu bufei – tem tambem a velocidade, eu apostei uma corrida com o Emmett já que estavamos nos dando muito bem e caramba, sem explicação.

-O Emmett encontrou um companheiro para as suas loucuras – começamos a rir.

Logan ficou me contando sobre suas experiências vampirísticas e os desafios que Emmett faziam para ele, todas as lutas Logan ganhava por ser um recém-nascido porém Emmett não ligava, pelo contrário ele ficava feliz de sempre lutar alguem a sua altura. Pensei que quando eu o desafiasse e ganhasse, sua irritação seria pelo fato de eu ser mulher.

Não vi a hora passar, mas acabei não aguentando e dormi.

Pelo meu acidente, ganhei uma dispensa médica para ficar em casa por uma semana e nesse tempo pensei em um plano para falar para Mia sobre o Logan. Ela vinha me visitar, com uma cara péssima, com certeza ela se sentia confusa pelo fato de eu estar feliz. Logan me garantiu que amava sua nova vida, era tudo que ele havia sonhado tirando o fato de estar longe dos seus pais e de seu amor.

Eu pensava em fingir uma busca pela floresta e dizer que encontramos ele, mas como? Carlisle falava várias formas de forjar um resgaste, onde Edward me contava em suas visitas nortunas, porém tinha medo de que algo desse errado.

Numa noite me lembrei do filme do crepúsculo, que me deu uma grande idéia, mas precisava sair dessa cama o mais rápido possível, passaram-se os dias de repouso e no sábado decidi que teria que resolver tudo de uma vez.

-Quero ver os Stewart mamãe – falei para minha mãe quando tomava meu café da manhã. Era estranho ainda falar Stewart, porém era preciso. Meu pai estava em uma viagem a negócios desde minha saída do hospital.

-Você recebeu alta hoje e já quer ir para a rua?

-Eu estou com saudades de todos – minha mãe não sabia que alguns membros da familia me visitavam de noite.

-Eu sei de quem está com saudades – ela me acusou rindo e me juntei a ela – ele realmente te ama querida, no dia do hospital acabei com todas as dúvidas sobre isso e seu pai já está aceitando um pouco seu namoro. Ele só acha que ele vai te fazer sofrer algum dia – um nó formou na minha garganta – não liga para ele.

-Ele é pai – falei num sussuro.

-É e ele te ama – ela sorri – pode ir se quiser, mas já vai dirigir? Não é muito cedo?

-Eu ligo para o Edward vim me buscar – sorri, eu tinha o visto noite passada mas já sentia saudades, mas me lembrei das minhas obrigações – quer dizer, vou ligar para Mia, para ela ir comigo e aproveita para ver todo mundo, ela precisa de um ar.

-Minha filha você não parece está...

-Tudo vai se resolver – eu sorri e ela me encarou como se fosse louca – você verá. Vou ligar para a Mia.

Disquei o número da Mia e ela atendeu do terceiro toque.

-Alô? – sua voz era de quem chorava.

-Amiga vem aqui para casa? Quero que a gente faça um visita aos Stewart para animar um pouco – queria gritar para ela o motivo de querer que ela fosse.

-Não estou com muita vontade Bells, me perdoa – sentia que ela estava muito mal.

-Eu te imploro, juro que não vai se arrepender – ela suspirou.

-Está bem, mas não quero voltar tarde.

-Se você quiser ir embora... – falei baixo mas ela escutou.

-O que quer dizer com isso?

-Você verá e ande logo por favor, estou te esperando lá fora – desliguei o telefone, saltitante.

Como a casa da Mia não era muito longe da minha ela veio a pé e joguei a chave do meu carro para suas mãos. Ela parecia morta, estava realmente acabada, corri e lhe dei um abraço.

-Vai dar tudo certo – vi ela tentando dar um sorriso, mas foi em vão.

A viagem foi em silêncio e aquilo estava martelando minha cabeça, queria acabar logo com suas tristezas. Chegamos na casa e Edward correu para abrir minha porta.

-Olá meu amor – ele disse me puxando para um beijo. Se Mia não tivesse pigareado jurava que não tinha ninguem perto da gente.

-BEELLAAAA – assim que eu entrei Emmett veio correndo na minha direção para me abraçar, mas não foi aqueles abraços de ursos pois ele sabia que ainda estava com dores – sinti sua falta e oi Mia – ele a abraçou tambem.

-Oi Emmett – ela ainda não havia se acostumado com o jeito deles.

-Que olhar é esse? – Emmett perguntou para Mia.

-Olhar? Como assim? – ela parecia assutada e eu ri disfarçadamente.

-Quando você fala nosso nome, você olha de um jeito estranho – ele falava com a sobrancelha arqueada.

-É que é... meio estranho vocês terem os mesmos nomes e parecerem muito com a familia er... do livro da Bells – ela olhou para mim e outro nó se formou na minha garganta.

-Coincidência não é? – Alice falou vindo para nos abraçar – essa menina é inteligente – sussurou no meu ouvido.

Mia se sentou no sofá com Esme e as duas ficaram conversando. Eu e Edward ficamos sentados na varanda.

-Onde o Logan está?

-Ele foi para a nossa campina se preparar, ele está meio irritado por pensar que a Mia pode não aceitar sua nova vida.

-Ela vai ser uma boba, pois é muito bom namorar um vampiro – dei um selinho nele.

-Não tem medo senhorita Hudgens? – ele tinha um sorriso malicioso.

-Não – disse dando de ombros.

-Não devia ter dito isso – ele me puxou e colocou em sua costas. Exatamente igual, eu estava adorando tudo isso. Pensei que ele ia correr comigo, mas de repente ele começou a rir e me colocou no chão, me puxando para um abraço.

-O que foi? – ele riu mais ainda.

-Acho que tem alguem ansioso demais – eu entendi e acompanhei em sua risada.

-Temos tempo para um beijo – ele não esperou eu dizer nada e me beijou. Edward me beijou com tanta urgência, que me deixou sem folêgo. Quando nos separamos, se seus braços não estivessem em volta da minha cintura teria caído no chão.

-Tem cama lá em cima – quem mais poderia ser? Emmett Cullen.

-Você e a Alice tem mais o que fazer não? – Edward falou. Sempre os dois vinham nos atrapalhar. Edward beijou meu nariz fazendo um percurso até minha orelha – é melhor ir buscar sua amiga, antes que o Logan quebre mais árvores.

-Eu... vou... – disse ainda embriagada com sua presença. Ele me soltou e eu fui atrás de Mia, mas antes tive que passar por um Emmett caindo na gargalhada.

-Mia, vamos comigo dar um passeio? – ela me olhou desconfiada – Preciso te mostrar uma coisa.

Ela levantou devagar, mas me seguiu. Não vi Emmett ou Edward lá fora, com certeza foram para algum lugar perto da campina para ajudar, caso algo saísse do controle. Assim que a campina apareceu olhei para Mia e ela estava deslumbrada.

-Caramba Bells – ela olhou mais um pouco – aqui maravilhoso, até parece a campina do crepúsculo – eu sorri.

-Mia eu queria te fazer uma pergunta, mas você terá que responder sem se importar com o que é ou não verdade, está bem?

-Bells...

-Está bem?

-Está, qual é a pergunta? – ela disse e se sentou em um tronco que tinha atrás de mim. Juntei-me a ela, pensando na melhor forma de falar.

-Você seria capaz de aceitar ficar com o amor da sua vida, aceitando o que quer que ele seja? Assim como a Bella aceitou o Edward?

Ela começou a rir – Bells você elouqueceu? – eu não respondi, apenas a encarei e ela suspirou – é claro que eu aceitaria, se fosse possível que ele estivesse...

-Vivo? – ela suspirou e eu sorri – E se eu te falasse que ele está vivo?

-Para de fazer essas brincadeiras, – ela pegou na minha mão – já estou sofrendo o bastante.

-E se eu pudesse terminar com esse sofrimento, mas para isso você teria que pagar um preço.

-E qual seria?

-Namorar com um vampiro – Logan falou, olhei para as costas da Mia e ele estava lá.